sexta-feira, agosto 26, 2016

Ele nunca desite


"Qual de vocês que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma, não deixa as noventa e nove no campo e vai atrás da ovelha perdida, até encontrá-la?" (Lucas 15:4)

Salmo 23 é uma passagem clássica que nos retrata como ovelhas e Deus como o nosso Pastor:

"O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta. Em verdes pastagens me faz repousar e me conduz a águas tranquilas; restaura-me o vigor. Guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome"(versículos 1-3).

Ovelhas são tão estúpidas que às vezes têm de ser forçadas a comer sua comida. Se um pastor não as conduz, ficam no mesmo lugar, fuçando a terra, mesmo muito depois da grama ter acabado. Também têm de ser levadas até a água para beber.

Esse salmo continua e diz: "a tua vara e o teu cajado me protegem" (versículo 4). O pastor tem sua vara e seu cajado, os quais precisa usar com seu rebanho rebelde. A vara é um pau e o cajado é uma ferramenta longa e curvada na ponta. Quando as ovelhas se desviam, o pastor as puxa com seu cajado. Se chega um predador ou ameaça, ele usa a vara para proteger o rebanho. Mas às vezes ele também usa a vara para discipliná-las, para que não acabem mortas em algum lugar.

Embora Deus nos ame e tenha em mente o melhor para nós, às vezes nos desviamos. E o que é que Deus faz nessas circunstâncias? Ele procura por nós.

Em Lucas 15, Jesus dá três imagens de como Deus nos busca. Uma é a do pastor que deixa suas 99 ovelhas e vai procurar a que se desviou. Ele não para de buscar até que a encontre. E isso é algo de que temos de nos lembrar acerca de Deus. Ele segue buscando. Apesar de nossa dispersão, Ele nunca desiste de nós.
Compartilhar:

quarta-feira, agosto 03, 2016

O Fundamento Correto


"Porque ninguém pode colocar outro alicerce além do que já está posto, que é Jesus Cristo." (1 Coríntios 3:11)
  
Quando Jesus perguntou aos discípulos "Quem os homens dizem que o Filho do homem é?" não foi porque Ele estava tentando obter informações. Jesus podia ler os pensamentos das pessoas e assim o fez em muitas ocasiões. Ao contrário, Ele queria ver se Seus discípulos estavam entendendo.

Eles disseram-lhe: "Alguns dizem que é João Batista; outros, Elias; e, ainda outros, Jeremias ou um dos profetas" (Mateus 16:14). 

Então ele perguntou: "E vocês [...] quem vocês dizem que eu sou?" (versículo 15). 

E Pedro arriscou e disse: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo" (versículo 16). Pedro acertou em cheio. 

Por isso,  Jesus lhe disse: "Feliz é você, Simão, filho de Jonas! Porque isto não lhe foi revelado por carne ou sangue, mas por meu Pai que está nos céus. E eu lhe digo que você é Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do Hades não poderão vencê-la" (versículos 17-18).

Para esclarecer, Jesus não estava dizendo que Ele iria construir uma igreja sobre Simão Pedro. A palavra "Pedro" vem da palavra grega que significa uma parte de uma rocha ou uma pedra. A frase "sobre esta pedra" contém uma palavra diferente, que significa uma rocha maciça, inteira.

Jesus estava construindo a igreja sobre o que Pedro havia dito. A igreja é construída sobre Cristo. Como o apóstolo Paulo disse: "Porque ninguém pode colocar outro alicerce além do que já está posto, que é Jesus Cristo" (1 Coríntios 3:11).

Espero que a sua vida tenha Cristo como fundamento. Se você tomou uma igreja como fundamento de sua vida, esse fundamento está errado. Se você baseou sua vida espiritual em uma pessoa, também é uma fundação incorreta. Construa a sua vida sobre o próprio Cristo.
Compartilhar:

terça-feira, agosto 02, 2016

“Os Evangélicos e o Papa. Olhares de lideranças evangélicas sobre a Encíclica Laudato Si’, do Papa Francisco”: um livro provocante

Este livro organizado pelo pastor metodista Claudio de Oliveira Ribeiro será publicado pela editora Reflexão no final de março 2016. Representa a diversidade do quadro religioso evangélico brasileiro. Reúne olhares de batistas, metodistas, presbiterianos, pentecostais, luteranos, reformados e anglicanos. Homens e mulheres, jovens, pastores e pastoras que atuam na base das igrejas, pessoas que se dedicam à academia, clérigos, clérigas, leigas e leigos.
Assim, motivados por um líder católico romano, o Papa Francisco, e pela vocação maior do Evangelho traduzida nos compromissos éticos com a manutenção e promoção da vida, em todas as suas dimensões e concretude, tais líderes propõem reflexões interessantes e pertinentes.
Na primeira parte, há análises ecumênicas de Olav Fykse Tveit, secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas, de Magali Do Nascimento Cunha, da pastora anglicanaCarmen Kawano e do bispo metodista Paulo Ayres Mattos. Na segunda parte, olhares denominacionais e que levam em conta a realidade das igrejas: Alonso S. Gonçalves(batista), Helmut Renders (metodista), David Mesquiati (pentecostal), Carlos Jeremias Klein (presbiteriano), Carlos Eduardo Calvani Ingrit Jampietri (anglicano) eFernando Bortolleto Filho (presbiteriano). Na terceira parte, olhares globais com os textos deEdson FernandoMarga Janete StröherRomi Márcia BenckeAlessandro Rocha, Jorge Pinheiro e Rosi Schwantes. A quarta parte foi dedicada a jovens com os textos de Maryuri Mora Grisales, da Rede Ecumênica de Juventude, Cláudio Augusto, do CEBI de Belém-PA,André Magalhães CoelhoThiago Rafael Englert Kelm, pentecostais, e Fabio Martelozzo Mendes, da assessoria de direitos humanos da Igreja Metodista em São Paulo. O livro está dedicado à Jether Pereira Ramalho, destacado líder ecumênico, que nos seus quase 94 anos de idade nos inspira sempre.
O Papa Francisco, ao promulgar a Encíclica Laudato Si’, recria, de forma belíssima e corajosa, o vínculo perdido da liderança católico-romana com as transformações teológicas e pastorais propostas e decorrentes do Concílio Vaticano II (1962-1965). A nova encíclica está em consonância com atitudes e palavras do pontífice desde os seus primeiros dias como papa, que sinalizam um estilo pastoral mais aberto, progressista e despojado para a igreja. Portanto, não se trata de um documento isolado, mas articulado com a referida recriação da “primavera conciliar” que encantou o mundo nos anos de 1960. Com esse elo surge um potencial criativo de novos ares para a Igreja Católica Romana.
Nossa consideração é que a força simbólica da encíclica, somada aos conteúdos sociopolíticos nela presentes, redundará em reforço das perspectivas mais abertas e críticas ao sistema econômico dos diferentes grupos da sociedade. O mesmo se dará com as demais igrejas cristãs (ou grupos e setores dentro delas) que advogam posicionamentos críticos em relação aos temas sociais e ecológicos. Ou seja, a encíclica, ao lado de posturas teológicas e pastorais mais abertas do Papa Francisco, contribuirá para que a força de grupos progressistas e ecumênicos das igrejas cristãs – evangélicas, anglicanas e orientais – aumente. Isso já tem se dado desde o início do pontificado dele e agora ganha impulso com a carta.

Compartilhar:

A Pergunta Final

"Por isso Deus o exaltou a mais alta posição e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, no céu, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai." (Filipenses 2:9-11)

Quando Jesus falou aos discípulos sobre sua morte iminente e ressurreição, foi mal compreendido. Eles pareciam não entender direito. O problema foi que eles tinham visões de grandeza. Eles imaginaram que Jesus instituiria o Seu reino terreno onde iria governar e reinar, onde todos viveriam felizes para sempre. É por isso que, após a alimentação dos 5.000, Jesus os fez entrar no barco e saiu. O povo queria levar Jesus e fazê-lo rei à força.

Jesus estava prestes a revelar algo a Seus discípulos, algo que eles não tinham entendido até então, e foi simplesmente isto: Ele morreria em uma cruz. Haveria uma crucificação. Haveria uma ressurreição. Haveria uma segunda vinda. E então o Seu reino seria estabelecido.

Então, Jesus fez uma pergunta muito importante para eles: "Quem os homens dizem que o Filho do Homem é?" (Mateus 16:13). Esta questão ainda está sendo posta para nós hoje - e é a questão mais importante que alguém possa responder.

Há realmente apenas quatro opções, quatro respostas a essa grande pergunta Cristã. Ou Jesus era uma lenda, um mentiroso, um lunático, ou o Senhor. Sabemos que Ele não era uma lenda, porque há evidências históricas suficientes para confirmar claramente que Jesus Cristo viveu e morreu em um tempo específico. Outros dirão que Ele estava mentindo sobre tudo o que disse, enquanto outros dirão  ainda que Ele era um louco delirante.

Mas temos que responder a esta pergunta que Jesus fez. E, finalmente, todos, em todos os lugares vão dizer que Jesus Cristo é o Senhor. Cristãos, céticos, agnósticos, ateus, todos, independentemente de sua religião, um dia, terão que reconhecerr que Jesus Cristo é o Senhor, quando estiverem diante de Deus.
Compartilhar:

quinta-feira, julho 28, 2016

17-19/08 - III Seminário Internacional Pentecostais, Teologia e Ciências da Religião

O Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião, com apoio do Grupo de Estudos de Protestantismo e Pentecostalismo (GEPP) – PUC/SP do curso de Teologia da Faculdade Unida de Vitória e da Faculdade Refidim de Joinville, promove o 3º Seminário Internacional Pentecostais, Teologia e Ciências da Religião, que acontece entre os dias 17 e 19 de agosto, das 9 às 18h, no campus Rudge Ramos.
Nesta edição o tema central será “Participação e Contribuição das Mulheres no Movimento Pentecostalismo, Ontem e Hoje – Limitações, Oportunidades e Possibilidades”, e tem como objetivo colocar em debate o papel preponderante das mulheres na emergência, expansão e consolidação do movimento pentecostal em suas diferentes manifestações, desde o seu início até os dias de hoje.
O Seminário contará com palestras de professores da Metodista e de docentes de instituições do exterior, como a professora doutora Melissa Archer, da Southeastern University, e Cheryl Bridges Johns, docente de Discipulado e Formação Cristã no Seminário Teológico Pentecostal da Igreja de Deus, em Cleveland, Tennessee.
Interessados em apresentar suas pesquisas devem enviá-las às coordenações dos grupos de trabalho até o dia 5 de agosto de 2016. Já para se inscrever como participante do evento é necessário preencher o formulário disponível aqui, também até dia 5 de agosto. Participantes que desejam receber certificado de participação deverão pagar uma taxa no valor de R$50.
Confira a programação completa do Seminário neste site.
3º Seminário Internacional Pentecostais
Data: 17, 18 e 19 de agosto de 2016
Tema: Participação e Contribuição das Mulheres no Movimento Pentecostalismo, Ontem e Hoje – Limitações, Oportunidades e Possibilidades
Horário: 9 às 18h
Local: Campus Rudge Ramos
Compartilhar:

quarta-feira, julho 27, 2016

31/09-Esperança na Crise, reflexões a partir de Gn. 28.10:19



Te Aguardo lá!


Se você está em crise deixe eu te dizer algo
Crise é uma das palavras mais faladas hoje Mas eu gosto da palavra   MILAGRE
Crise é o machado cair na água
Milagre é o machado flutuar.
Crise é o gigante Golias te afrontando.
Milagre é o Davizinho o derrubar e matar o giante
Crise é ter apenas um pouco de farinha pra comer e depois esperar a morte
Milagre é esta farinha multiplicar e sustentar tua família e mais o Profeta
Crise é a falta de água no deserto
Milagre é a água jorrar da rocha e saciar a sede de todos.
Crise é a perseguição contra os cristãos.
Milagre é o perseguidor também se converter e ainda se tornar um grande apóstolo
Crise é a doença que não quer te deixar há anos
Milagre é você tocar em Jesus com fé e a doença sair
Crise é ter milhares de inimigos que vem pra te exterminar
Milagre é você vencê-los com apenas 300 homens
Crise é ninguém acreditar que você pode ser alguém, nem mesmo teu próprio pai
Milagre é Deus olhar pra você e te fazer o maior Rei de todos os tempos em tua nação
 Crise é viver sem Cristo mas quem tem Jesus Cristo vive uma vida de Milagres!

Por isso declare agora:


"NÃO ESTOU EM CRISE. ESTOU EM CRISTO!  O Deus de MILAGRES!!!
Compartilhar:

terça-feira, julho 26, 2016

Televangelista ensina Donald Trump a explorar o nome de Jesus em proveito próprio

Publicado no The Babylon Bee
Depois de supostamente “tê-lo levado a Cristo”, fontes confirmam que Paula White, televangelista e pastora da igreja New Destiny Christian Center na Flórida, está aconselhando o candidato republicano à presidência dos EUA sobre como explorar descaradamente o nome de Jesus Cristo para seu benefício próprio.
White, que tem décadas de experiência em abusar do nome de Cristo para obter altos lucros financeiros, tornou-se a “conselheira espiritual” de Trump, segundo fontes, e busca transferir sua especialidade para ajudar o candidato republicano a prostituir o nome do Filho de Deus para obter os votos evangélicos.
“Ela começou ao supostamente fazê-lo (Trump) dizer a ‘oração do pecador’, o que, naquele momento, foi um ato perspicaz, e irá fazer com que uma boa fatia dos evangélicos imediatamente declarem-no um cristão”, disse o analista político Michael Kelly. “Ela está ensinando-o a manipular as pessoas ao perverter o nome de Jesus, o evangelho, a Bíblia e qualquer coisa sagrada na qual ele consiga pôr as mãos, para beneficiá-lo – ou seja, o que ela tem feito desde o início dos anos 90”.
“Essas táticas nojentas da teologia da prosperidade encaixam-se bem no meio político, por razões óbvias”, acrescentou o especialista.
tradução: Fabio Martelozzo Mendes
Compartilhar:
Proxima  → Inicio